O universo da saudabilidade tem ficado cada vez mais amplo e complexo,  não se restringindo apenas aos produtos alimentares industrializados ou frescos, mas também crescendo com a procura de itens de suplementação e chegando a serviços como os oferecidos por nutricionistas, clínicas de estética, assessorias a praticantes de atividades físicas e outros.  O movimento atinge também os restaurantes, que seguem investindo em cardápios com opções mais saudáveis.

Segundo dados da Euromonitor, o mercado de alimentação saudável deve movimentar R$ 93,6 bilhões em 2018 no Brasil. Só o segmento de alimentos orgânicos deve movimentar R$ 153 milhões até o fim deste ano, um aumento de 2% em comparação com o ano anterior.

   Seja pela simples busca de um estilo de vida mais saudável, pelo aumento das alergias e intolerâncias a certos tipos de alimentos ou ainda pelo crescimento de doenças crônicas como obesidade e diabetes no Brasil, o fato é que o estilo de vida mais natural é a bola da vez no varejo, nos serviços e na indústria. Mas o que tudo isso pode ter a ver com o seu negócio?

O Grupo Carrefour se deu conta da urgência em atender a essa exigência do consumidor e anunciou mundialmente o movimento ‘Act for Food’, parte de um plano de transformação global que reúne um grande pacote de ações para democratizar o acesso a alimentos de qualidade como os orgânicos – um investimento inicial de cerca de 10 milhões de euros.

O fundo de private equity suíço Partners Group, também de olho no movimento, comprou 100% da rede Hortifruti, forte em produtos naturais. A Coca-Cola, que sofre com a queda nas vendas de refrigerantes no Brasil, anunciou que produzirá o primeiro iogurte realmente natural por aqui, fabricando o produto sem aromatizantes, corantes nem conservantes artificiais – a empresa comprou a fabricante de laticínios mineira Verde Campo em 2016.

Apesar de todas essas evidências, ainda existem empresas e executivos reticentes em investir nesse universo, temendo que seja muito restrito ou apenas um modismo. Na Visão da Step Stone, se a sua empresa não está a pleno vapor, ampliando suas ofertas e portfólio de produtos para atender a essas demandas, pode perder oportunidades valiosas.

Alexandra Jakob
Sócia Consultora