O consumidor nunca foi tão exigente. Totalmente digital, ele tem muito mais acesso à informação e busca conhecimento sobre o que de fato está comprando. Ele sabe que tem opções e cria grandes expectativas em relação à qualidade e adequação dos produtos adquiridos.
No caso dos alimentos, por exemplo, os novos consumidores estão não apenas mais interessados no que é oferecido em termos nutricionais e na origem dos insumos, mas também mais preocupados e conscientes da responsabilidade pelas escolhas que fazem diariamente e das consequências na sua qualidade de vida. Levando-se em conta o aumento na expectativa de vida média do brasileiro, esse impacto não deve ser desconsiderado.

Se antes muitas empresas praticamente escondiam as informações nutricionais utilizando letras minúsculas na parte de trás das embalagens de alimentos, hoje vemos exemplos de empresas como a Heinz, que, em uma ação especial este ano, mostrou em seu ketchup os ingredientes do produto em letras garrafais, em destaque, bem na parte da frente da embalagem.  Ganhar a confiança do púbico antenado com os rótulos é uma das consequências naturais de uma ação de responsabilidade da empresa.

Outro exemplo interessante foi o da Mattel, que lançou uma linha de bonecas Barbie com diferentes tons de pele, corpo mais realista e com a opção de não usar salto alto, para poder continuar relevante. Muitas das meninas de hoje em dia já não se identificavam com a boneca impossivelmente alta, magra e loira de antigamente.

   Transparência não é um valor que possa ser transmitido apenas da porta para fora. A cultura da empresa precisa refletir esse modo de pensar e agir se ela deseja comunicar isso ao seu público de maneira crível. Na visão da Step Stone, para lidar com os desafios de novos tempos tão dinâmicos e consumidores tão exigentes, é preciso antes de mais nada coerência entre o que ela faz dentro de casa e o que comunica externamente.

   O seu negócio já está pronto para lidar com essas novas demandas de clientes e consumidores?


Kátia Perlman
ConsultoraKátia Perlman